O Tarot, o Tempo Futuro e o Livre-Arbítrio


O tarot mostra respostas atuais, para o momento presente do consulente. Avalia fases e períodos, mas não tem significado definitivo e sim transitório. Nenhuma tendência indicada nas cartas é definitiva ou para sempre; ao contrário, elas podem ser mudadas a qualquer instante de acordo com as atitudes do consulente e das outras pessoas envolvidas na questão. Essa é a função principal do tarot: ampliar o conhecimento do consulente sobre as tendências de um futuro próximo para que o mesmo possa tomar as melhores atitudes agora. O tarot ajuda a enxergar melhor a situação para que sejam tomadas decisões mais conscientes e, consequentemente, mais acertadas.


O tarot não determina nem ordena nada: tudo depende do livre-arbítrio do consulente em seguir ou não suas orientações e conselhos, modificando ou melhorando o rumo das questões levantadas. As cartas auxiliam e aconselham, mas não resolvem os problemas existentes nem determina os acontecimentos sem a decisão e iniciativa espontânea do consulente. A taróloga e astróloga Titi Vidal faz a seguinte colocação sobre o tema:


" O tarot indica o que tende a acontecer se o consulente não fizer nada para mudar, pois o jogo mostra o que está ocorrendo no presente e o possível rumo da situação diante das atitudes que o consulente está tendo agora. Por isso suas previsões são de curto prazo, pois o consulente tem o livre-arbítrio de agir de outra forma e tomar um novo rumo a qualquer momento. Todos têm o livre-arbítrio de mudar seu Destino ou pelo menos vivenciá-lo melhor, por isso as previsões do tarot não são determinantes nem fatalistas, mas sim orientações baseadas em tendências. Indica caminhos, soluções, algumas respostas e saídas, apontando as melhores opções e dando conselhos para que o consulente possa tomar decisões de forma consciente de acordo com as possibilidades que tem diante de si. Portanto, o tarot mostra possibilidades e permite a visualização de caminhos, mas não decide pelo consulente o que ele deve ou não deve fazer, pois além de ser uma interferência muito grande na vida do outro, o tarólogo assumiria uma enorme responsabilidade pela vida do consulente, o que traria sérias consequências kármicas, pois ninguém tem o direito de interferir no livre-arbítrio do próximo. O tarot mostra o que vai acontecer no futuro caso o consulente não mude seus pensamentos e atitudes. Por isso, quanto maior o autoconhecimento maior a possibilidade de mudanças e diferenças entre o que é previsto e o que de fato pode ocorrer. O tarot sempre mostrará o caminho certo, indicando a melhor direção a seguir e orientando em relação ao que o futuro promete ao consulente", explica Titi.


O futuro de cada um depende de como seu presente está sendo conduzido e por isso poderá ser modificado de acordo com o esforço pessoal de cada indivíduo. Não há fórmulas mágicas que resolverão os problemas de ninguém sem um amadurecimento e desenvolvimento interior. Por meio de novas atitudes podemos delinear novos horizontes para nosso futuro. Quando o consulente escolhe seguir por outro caminho, seja por sua própria iniciativa ou por conselho das cartas é natural que as tendências se modificarão. Por isso o tarot não expõe situações inevitáveis nem fatalistas. Tudo depende apenas de nós mesmos.